Verão, festas, viagens, curtição… férias! Realmente, é tudo muito bom! Depois de usufruir de um período de descanso, é importante colocar a casa (e a vida) em ordem, e nada melhor do que dar o primeiro passo começando pelas contas.

Gastos com IPTU, IPVA, material escolar, rematrícula, uniforme, somados aos custos básicos de alimentação e transporte batem à porta no começo do ano independente de férias, por isso, é importante se organizar para manter uma saúde financeira adequada no decorrer do ano.

“Um bom planejamento financeiro pode mudar sua vida” – A frase é clichê, mas também é verdadeira. Estamos (ainda) em tempo de estruturar e começar um bom planejamento para 2020, então, vamos lá?! Confira as dicas a seguir:

1. Registre tudo

Muitas vezes só conseguimos ter noção dos nossos gastos se, em algum momento, colocarmos eles no papel. Por isso, é importante fazer um levantamento de custos com água, luz, telefone, condomínio, alimentação e gastos a longo prazo – como contas parceladas.  E, cá entre nós, não menospreze os pequenos gastos, combinado? As compras que fazemos no dia-a-dia em lugares como padaria, banca de jornal, lojinha de doces ou farmácia costumam ficar fora da soma das grandes contas e isso é um erro. Crie o hábito de guardar as notinhas de cartão de crédito/débito para registrá-las posteriormente em sua caderneta de contas. Se precisar de ajuda nessa etapa, baixe gratuitamente a planilha UOL Economia para registrar todas as suas contas de forma prática e organizada.

2. Classifique seus gastos

Depois de registrar todas as contas atuais, futuras, fixas e os pequenos gastos, é hora de identificar onde você está gastando mais dinheiro. Para isso, você precisa separar as despesas fixas e variáveis para entender onde estão os gastos mais pesados. Além disso, é importante classificar os gastos para identificar se existe alguma área que você esteja gastando sem necessidade. Por exemplo: Lazer (cinema, restaurante, balada), transporte (gasolina), alimentação, roupas, etc. É mais fácil cortar gastos quando fica claro onde você está extrapolando. Por exemplo:

3. Organize suas finanças

Reúna todas as pendências que você tiver, como boletos atrasados e contas com vencimento próximo. Vale também incluir as compras parceladas na somatória, além das despesas fixas e variáveis. Dessa forma você consegue priorizar e antecipar os pagamentos (se quiser) e ter noção do que precisa ser quitado para não ser pego de surpresa. Leve com você essa dica de ouro: Assim que você receber seu salário ou alguma grana extra, pague todas ou a maioria das suas contas no mesmo dia. Mesmo que uma conta vença daqui 20 dias, se você não vai receber outros pagamentos até lá, você precisa reservar esse dinheiro desde já, só assim você evita dor de cabeça, dívidas acumuladas e juros. Esse hábito vai te ajudar a não perder nenhuma data de vencimento e saber exatamente quanto você tem disponível para gastar. Nesse momento, já com uma visão ampliada dos seus gastos, é interessante estabelecer uma meta de gastos para seguir no decorrer do ano.

4. Revise seus gastos

Há pessoas que quanto mais ganham, mais gastam (e vivem endividadas), mas existe também pessoas que não ganham tanto, mas que conseguem viver uma vida boa, com casa e carro próprios, viagens e filhos em boas escolas particulares. A diferença entre os 2 perfis está em como lidam com os gastos. Se você possui dívidas pendentes, busque maneiras de quitá-las, pois elas não sumirão num piscar de olhos. Encare isso como um compromisso financeiro, afinal, essa é uma oportunidade de enxugar despesas. E muito cuidado com os débitos automáticos. Sabe aquela assinatura que normalmente é grátis no primeiro mês? Quem nunca esqueceu de cancelar o serviço e passou a ser cobrado posteriormente, que atire a primeira pedra! Na maioria das vezes o valor é baixo e passa desapercebido ou a preguiça de ligar na central de atendimento é maior. Mas, pergunte para você mesmo: quando usei esse serviço? Vale a pena continuar assinando? Estou usufruindo desse produto? Se a resposta for não, cancele já! Dê uma analisada no que você possui de cobrança automática e cancele serviços de assinatura que não são fundamentais.  Na hora de revisar seus gastos, é importante separar aquilo que é imprescindível das coisas que são supérfluas para manter um orçamento equilibrado.

5. Faça uma reserva financeira

Apesar da nossa cultura imediatista de consumo, é essencial fazer uma reserva financeira para suprir imprevistos que podem surgir, afinal, não sabemos como será o dia (e o mercado financeiro) de amanhã. Especialistas dizem que o ideal é ter 6 meses de reserva financeira para longo prazo, por isso, é importante guardar mensalmente 10% do seu salário líquido, separar uma quantia para aplicar onde rende juros e também separar outra quantia para possíveis emergências. Se você acha 10% muito, pode começar com menos, mas, vai por mim,  faça disso um hábito. Se você não sabe onde aplicar essa grana, uma opção segura é começar usando o PagBank! Lá, o seu dinheiro rende mais que a poupança e você ganha um cartão internacional sem anuidade. Além disso, você pode fazer pagamentos, transferências, recarga de celular e muito mais, tudo pelo celular. Confira mais vantagens sobre o super app PagBank!

Gostou das dicas? Coloque-as em prática agora mesmo e mantenha seu controle financeiro em dia para que 2020 seja um ano de conquistas com o mínimo de dívidas possível!